O reencontro


Criei este blog como homenagem a esta figura ímpar de pensadora. O momento criador foi carinhoso. Faltou a dedicação permanente, que caracteriza o verdadeiro amor. Sinto a falta do que não fiz, como se não me tivesse cumprido. 
Ao António Quadros Ferro devo esta fotografia [publicou-a aqui]. 
Que eu saiba de Dalila existem poucas imagens. É como se tivesse passado etérea, incorpórea, puro reflexo por este nosso mundo material.
Este fim de semana da Páscoa, propício à reflexão interior, estou a rever o que escrevi e o que quero escrever. Estou a lembrar aquilo que me tornou no que sou. O ter descoberto a sua escrita foi determinante. Não que eu me esgote nisso. Não que a espiritualidade diáfana que perpassa pelo legado que nos deixou seja a essência do meu ser. Sim porque é isso que permite a reintegração, o reencontro.